Milhares gritam fora Bolsonaro em mais de 200 cidades; veja fotos e vídeos

Os brasileiros j√° n√£o aceitam mais Jair Bolsonaro. Milhares de pessoas foram √†s ruas, neste s√°bado (29),¬†em mais de 200 cidades do pa√≠s e do exterior,¬†pedir a sa√≠da daquele que, com sua gest√£o criminosa da pandemia, levou o Brasil a alcan√ßar a inaceit√°vel marca de 460 mil mortos por Covid-19. Convocados pela Frente Fora Bolsonaro, os atos foram¬†apoiados pelo Partido dos Trabalhadores, com v√°rios de seus parlamentares (veja declara√ß√Ķes abaixo) e milhares de seus militantes aderindo. A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, participou do ato em S√£o Paulo, acompanhada do secret√°rio Nacional de Comunica√ß√£o, Jilmar Tatto.

Nem mesmo o medo de se infectar - uma vez que Bolsonaro, após recusar vacinas, só imunizou completamente 10% dos brasileiros - segurou mais a população em casa. Como dizia um cartaz visto no protesto em Teresina, "se um povo protesta e marcha em meio a uma pandemia, é porque seu governo é mais perigoso que o vírus" (veja galeria de fotos). Seja em cidades menores, seja nas capitais, as ruas acabaram tomadas de cidadãos que gritaram palavras de ordem e seguraram cartazes em defesa da vacina e do impeachment e denunciando o genocídio praticado pelo atual presidente e seus ministros. "Decidimos, num ato extremo, fazer um ato de rua, tomando todos os cuidados possíveis para mostrar solidariedade ao povo brasileiro. Nós estamos cansados, exauridos do sofrimento por que passa o Brasil, por isso estamos aqui", discursou Gleisi Hoffmann.

Algumas cidades, como Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo reuniram dezenas de milhares de pessoas, mostrando o que as pesquisas já vêm revelando: a maioria do povo quer Fora Bolsonaro já. Na Avenida Paulista, por volta das 17h, uma hora depois do início do protesto, já não era mais possível ver onde começava e onde terminava a onda de manifestantes (vídeo abaixo). Estima-se que mais de 80 mil pessoas participaram do ato na capital paulista. Sites estrangeiros deram ampla cobertura aos eventos.


Atos começaram cedo

Os protestos começaram cedo, com grande parte das cidades programando seus atos para o período da manhã. Em todos os locais, numa prova de cidadania, não havia manifestantes sem máscara. Todos também buscaram respeitar o distanciamento social, marchando ou se postando a alguns metros uns dos outros, e muitos compartilhavam álcool em gel.

Em Brasília, por volta das 9h, o Eixo Monumental, uma avenida com 16km de extensão, estava com duas de suas faixas completamente tomadas por uma carreata. O protesto continuou, depois, com milhares de pessoas indo a pé até o Congresso Nacional. Estimativas apontaram que, ao todo, entre 18 mil e 30 mil pessoas participaram.

No Rio de Janeiro, os manifestantes come√ßaram a concentra√ß√£o por volta das 10h na Pra√ßa Mau√° e seguiram, depois, a p√©, at√© a Candel√°ria, no Centro, que ficou completamente tomada. Entre as causas defendidas, estavam a acelera√ß√£o do ritmo de imuniza√ß√£o, o aux√≠lio emergencial de R$ 600 e o fortalecimento do Sistema √önico de Sa√ļde (SUS).

Galeria de fotos:

1 / 17
Brasília
Divulgação

Na capital baiana, os protestos foram direcionados também ao vice-presidente Hamilton Mourão e contra os cortes de verbas nas universidades. Os participantes caminharam do Campo Grande até a Praça Castro Alves, onde o protesto foi finalizado perto do meio-dia.

J√° em Belo Horizonte, os manifestantes andaram da Pra√ßa da Liberdade at√© o Centro. Al√©m de faixas com os dizeres "Fora Bolsonaro" e "Genoc√≠dio", muitos defendiam a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ao jornal¬†Estado de Minas, a professora Marl√ļcia Corr√™a contou que ponderou muito antes de decidir ir √† rua em meio √† pandemia, mas acabou decidindo participar, pois "√© preciso mostrar que estamos insatisfeitos".

Seja nas redes sociais, seja de dentro dos carros ou nas ruas, os brasileiros deram seu recado em defesa da vida e da democracia. Na internet, as hashtags #29MForaBolsonaro e #29MPovoNasRuas ficaram o dia todo entre as mais postadas do Twitter e somavam cerca de 800 mil postagens às 17h.

Violência da PM no Recife

O episódio lamentável e que ainda precisa ser explicado foi a repressão violenta da Polícia Militar ao ato no Recife, que terminou com pessoas atingidas por bala de borracha e a vereadora do PT Liana Circe agredida com spary de pimenta no rosto. A vice-governadora Luciana Santos (PCdoB) disse nas redes sociais que a ação violenta dos policiais não foi autorizada pelo governo do estado.

Da Redação do PT