Servidores e movimentos da agricultura familiar temem o fim da Conab

Servidores p√ļblicos, agricultores familiares, lideran√ßas de movimentos sociais e sociedade civil tentam por meio de audi√™ncias, barrar desmonte na Companhia Nacional de Abastecimento - a CONAB. V√°rios estados est√£o realizando audi√™ncias p√ļblicas nas assembleias legislativas em defesa do √≥rg√£o e a continuidade de seus servi√ßos, que s√£o fundamentais para a agricultura do Pa√≠s.

Em Goi√Ęnia, no √ļltimo dia 15, mais de 50 representantes de movimentos sociais e sociedade participaram da audi√™ncia p√ļblica, com o tema ¬īCONAB empresa essencial para garantir o abastecimento e a seguran√ßa alimentar no Brasil¬ī, solicitada pelo deputado Rubens Otoni (PT-GO). A pauta de discuss√Ķes abordava sobre o fortalecimento e amplia√ß√£o das unidades armazenadoras da Conab; pol√≠tica de garantia de pre√ßos m√≠nimos (PGPM); agricultura familiar e programas sociais como o Programa de Aquisi√ß√£o de Alimentos (PAA), venda em balc√£o e doa√ß√Ķes; valoriza√ß√£o dos empregados com nenhum direito a menos.

A estrutura da Conab em Goiás conta com nove armazéns de grãos em diferentes localidades do estado. Na audiência, os servidores colocaram que são contra as vendas dos armazéns, anunciado pelo governo, sob a faixada de modernização do setor. Além disso, os representantes da agricultura, afirmam que é necessário investir no órgão, como também manter a estrutura para garantir a execução das políticas agrárias. Eles também apontam a necessidade de realização de concurso, visto a grande demanda do órgão.

"Nosso maior medo é que a Conab acabe, assim como ocorreu com o MDA. Ficaremos sem um órgão de referência para dar continuidade às políticas de agricultura familiar. Como vamos dar continuidade às políticas e serviços da agricultura familiar? ", questiona o coordenador de Reforma Agrária e Meio Ambiente da Fetraf-GO, Gerailton Ferreira dos Santos.

A Conab, assim como ocorreu com o extinto Minist√©rio do Desenvolvimento Agr√°rio (MDA), pode ser mais um dos √≥rg√£os a serem suprimidos pelo governo. Alguns atos da gest√£o j√° demonstram que n√£o existe interesse em manter a pol√≠tica de desenvolvimento da agricultura familiar e semelhantes. Exemplo disso, foi a retirada do governo de 170 milh√Ķes do PAA, primeira parcela dos 500 milh√Ķes autorizados pela presidenta Dilma quando do lan√ßamento do Plano Safra da Agricultura Familiar 2016-2017, que j√° estavam empenhados na Companhia Nacional de Abastecimento - a CONAB; outro retrocesso refere-se a rescis√£o de contratos de assist√™ncia t√©cnica penalizando quase mil empreendimentos e 170 mil fam√≠lias. Estas den√ļncias do desmonte da CONAB, j√° tinham sido feitas, por parlamentares, que defendem a agricultura familiar, em tribuna na C√Ęmara dos Deputados, no mesmo per√≠odo que o MDA foi extinto.


FONTE: CONTRAF - BRASIL
Escrito por: Assessoria de Comunicação da CONTRAF BRASIL - Patrícia Costa