Governo exclui, paulatinamente, movimentos sociais do processo de moradia populares

O processo de desmonte do programa Minha Casa Minha Vida é um dos alvos do Governo Federal no pacote de retrocessos. Sobre isso a notícia não é nova, o problema é que para as vias de fato da deformação do sistema que leva moradia popular as pessoas que mais precisam, o programa está, agora, na mão das prefeituras. (ouça na íntegra o comentário da semana)

Essa semana, as prefeituras come√ßaram a anunciar as inscri√ß√Ķes para o Programa Minha Casa Minha Vida Rural, em algumas regi√Ķes, o que demonstra que as sele√ß√Ķes das fam√≠lias ser√£o feitas por uma gest√£o pol√≠tica, que por tr√°s das negocia√ß√Ķes podem transformar o programa em uma moeda de troca, principalmente no ano que antecede as elei√ß√Ķes.

O coordenador da CONTRAF BRASIL, Marcos Rochinski, chama aten√ß√£o para o problema que exclui as organiza√ß√Ķes, paulatinamente, dos processos de constru√ß√£o das moradias populares. Ele afirma que diante da antidemocracia que o pa√≠s vive, o povo e principalmente os sindicatos e organiza√ß√Ķes s√£o os agentes fiscalizadores do Governo, papel fundamental para barrar medidas que trar√£o o regresso do pa√≠s.¬†(ou√ßa na √≠ntegra o coment√°rio da semana)

Fonte: CONTRAF-Brasil