CUT e centrais definem auxílio emergencial e vacina como eixos estratégicos em 2021

Vacina já para todos e todas, manutenção do auxílio emergencial, proteção social, mais empregos, campanhas de solidariedade e fortalecimento da organização sindical e de negociação coletiva são os cinco eixos centrais da CUT e demais centrais sindicais para ação e mobilização unitária no ano de 2021.


A decisão do Fórum das Centrais (CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST e CSB) foi tomada pelas entidades nessa terça-feira (5), por videoconferência, e publicada no documento "Vacina, proteção e mais empregos: diretrizes para a ação sindical unitária", divulgado nesta quarta-feira (6).


 "Essa agenda deve ser mobilizadora da a√ß√£o sindical em todos os n√≠veis, na interlocu√ß√£o com prefeitos rec√©m-empossados, com governadores e  empres√°rios, assim como na articula√ß√£o com os movimentos sociais e populares, e com as entidades da sociedade civil", afirma o F√≥rum no documento.


As entidades tamb√©m definiram dar especial aten√ß√£o ao processo de elei√ß√£o da presid√™ncia da C√Ęmara dos Deputados e do Senado que ocorrer√° no dia 1¬ļ de fevereiro. Os candidatos das duas Casas receber√£o imediatamente as diretrizes unificadas do F√≥rum.


Crise e os impactos no trabalho

O debate se deu em torno de solu√ß√Ķes para a crise que coloca em risco a vida, a sa√ļde, os empregos, a renda do trabalho e a prote√ß√£o social, de todos os trabalhadores e trabalhadoras e, com maior gravidade os mais vulner√°veis.


Tamb√©m foram debatidas as dificuldades deflagradas a partir da escandalosa supress√£o de direitos ocorrida na reforma Trabalhista, de 2017, e que imp√Ķe severas dificuldades e restri√ß√Ķes √†s entidades sindicais em sua fun√ß√£o elementar de exercer a defesa da classe trabalhadora.


Vacina e o desrespeito

Segundo os representantes das entidades sindicais, as crises econ√īmica e sanit√°ria s√£o agravadas pelas estarrecedoras pr√°ticas do governo Bolsonaro que destr√≥i pol√≠ticas, programas e organiza√ß√Ķes p√ļblicas em todas as √°reas, inclusive na √°rea da sa√ļde.


"O país está cada vez mais atrasado na implantação da vacinação por deliberada irresponsabilidade do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL). Seus péssimos exemplos só fazem aumentar as cenas de desrespeito de muitos aos cuidados e protocolos de segurança sanitária", diz trecho do documento publicado após a reunião do Fórum das Centrais.


Auxílio emergencial e reação

As entidades tamb√©m ressaltaram que o fim dos aux√≠lios emergencial e de prote√ß√£o dos sal√°rios e emprego, a partir de janeiro, ser√£o dram√°ticos para milh√Ķes de trabalhadores e trabalhadoras e suas fam√≠lias, com o aumento da pobreza e da mis√©ria.


Para o F√≥rum, o fim do governo Bolsonaro significa sepultar esses desmandos e a destrui√ß√£o de tantas pol√≠ticas, programas e organiza√ß√Ķes p√ļblicas que o pa√≠s levou d√©cadas para construir, assim como impedir o obscurantismo que vem prevalecendo como forma de governo.


"Conclamamos todo o movimento sindical brasileiro para a unidade de ação em torno dessa agenda, para o fortalecimento da luta dos trabalhadores desde os sindicatos e para um movimento de inovação que recoloque a centralidade do mundo do trabalho na formulação de um novo projeto nacional de desenvolvimento", diz trecho final do documento.

Leia aqui o documento na √≠ntegra:

Fonte: CUT