Seminário sobre PNaRA mostra que produção agroecológica é viável em escala nacional

A agricultura org√Ęnica e a agroecologia s√£o sim capazes de produzir alimentos em grande escala no Brasil e no mundo. Na verdade, elas s√£o as formas mais seguras e sustent√°veis de produzir comida saud√°vel no longo prazo. √Č o que mostram os dados, pesquisas, v√≠deos e depoimentos apresentados durante semin√°rio "A Import√Ęncia de uma Pol√≠tica Nacional de Redu√ß√£o de Agrot√≥xicos para o Brasil (PNaRA)", nesta ter√ßa-feira (6), em Bras√≠lia.

O semin√°rio, realizado na C√Ęmara dos Deputados, contou com a participa√ß√£o de especialistas e representantes de entidades p√ļblicas e de governo que atuam em defesa da seguran√ßa alimentar e nutricional. O objetivo principal era avaliar os resultados de v√°rios debates ocorridos em 2018 sobre a necessidade de reduzir o uso de agrot√≥xicos no pa√≠s.

Os debates t√™m sido promovidos com o apoio de v√°rias institui√ß√Ķes, como forma de subsidiar a comiss√£o especial que analisa o Projeto de Lei N¬ļ 6670 de 2016, que institui a PNaRA. Durante o semin√°rio, tamb√©m foram apresentadas as principais propostas do relat√≥rio final do PL 6670, que dever√° ser apresentado, e talvez votado, na pr√≥xima ter√ßa-feira (13).

Derrubando preconceitos

Para Marcos Rochinski, representante do Conselho Nacional de Seguran√ßa Alimentar e Nutricional (Consea) que participou do encontro, "o antigo conceito de que a agricultura precisa de defensivos agr√≠colas, fertilizantes e de sementes transg√™nicas para produzir comida em quantidades para alimentar toda a popula√ß√£o tem sido claramente desmascarado, tanto pelas audi√™ncias p√ļblicas da comiss√£o ao longo do ano quanto nas experi√™ncias relatadas neste semin√°rio". Rochinski √© coordenador-geral da Confedera√ß√£o Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Contraf).

Segundo ele, outra fal√°cia a ser desmistificada √© a de que a agricultura org√Ęnica e agroecol√≥gica √© sempre mais cara que a agricultura tradicional, tanto na produ√ß√£o quanto no consumo. "√Č poss√≠vel produzir alimento saud√°vel em grande quantidade sem agrot√≥xicos. √Č poss√≠vel produzir alimento mais barato sem transgenia e outras tecnologias semelhantes. √Č poss√≠vel conviver de forma harmoniosa com a natureza, produzindo alimento e convivendo com a preserva√ß√£o do meio ambiente", reafirma o conselheiro.

Redução de custos

Um v√≠deo apresentado durante o semin√°rio comprova as afirma√ß√Ķes de Rochinski. S√£o depoimentos de produtores de fazendas de grande porte, situadas no Centro-Oeste brasileiro, que migraram da agricultura convencional para a agricultura org√Ęnica e agroecol√≥gica. Essas propriedades, antes degradadas, est√£o produzindo grandes safras de alimentos com custo mais baixos, uma vez que os propriet√°rios deixaram de ter de comprar e de transportar agrot√≥xicos e fertilizantes.

"A agricultura convencional √© baseada em produtos. Eles nos mostram uma prateleira com algumas op√ß√Ķes que supostamente te oferecem uma comodidade. Mas, no final, √© uma escravid√£o", relata Rog√©rio Vian, da Fazenda S√©lia, de Goi√°s. Para ele, a primeira coisa a fazer √© mudar a cabe√ßa do produtor. "√Č cultura, √© uma barreira cultural mesmo, do modelo que existe. √Č querer que as coisas mudem e fazer a a√ß√£o, porque s√≥ querer e n√£o agir, n√£o resolve". Lu√≠sa Queiroz, da Fazenda Estrela Dalva Lamar√£o, de Minas Gerais, acrescenta que a agricultura √† base de produtos qu√≠micos √© um sistema de produ√ß√£o altamente pressionado pelos custos. "Voc√™ resolve um problema naquela hora e cria outros dez. Aumenta o n√ļmero de pragas e doen√ßas", concorda tamb√©m Eduardo Antoniolli, da Fazenda Invernadinha, situada em Goi√°s.

"Dia ap√≥s dia as grandes empresas nos dizem que precisamos fazer mais pulveriza√ß√Ķes. Em vez de duas, voc√™ precisa de quatro, ou seis, ou oito", conta a produtora V√Ęnia Antoniolli, tamb√©m da fazenda Invernadinha. Na verdade, ressalta ela, "a gente precisa plantar √°rvores. Porque sen√£o, a primeira consequ√™ncia √© a falta de √°gua. N√£o podemos produzir gr√£os em larga escala, igual a gente trabalha, sem cuidar da natureza. N√≥s n√£o estamos separados da natureza. √Č hora de acordar", alerta.

Esses produtores participam do experimento Grupo de Agricultura Sustent√°vel, iniciado em 2017, pelo pesquisador e agricultor Ernst G√∂sh. "Milh√Ķes de hectares foram desflorestados no Brasil nos √ļltimos 50 anos. Vamos plantar as √°rvores de novo, mas de uma forma que elas possam ser nossas aliadas na produ√ß√£o de gr√£os", diz ele. "A gente tem que usar a nossa tecnologia em favor da natureza e n√£o contra ela. √Č uma reconcilia√ß√£o entre o homem e a natureza".

Fonte: CONTRAF-Brasil