ASA REALIZOU ATO P√öBLICO PELAS RUAS DE MOSSOR√ď EM DEFESA DO SEMI√ĀRIDO

"Esse √© o nosso pa√≠s; Essa √© a nossa bandeira; √Č por amor a essa p√°tria Brasil; Que a gente segue em fileira". Ao som da composi√ß√£o Ordem e Progresso de Z√© Pinto, mais de 600 pessoas seguiram em marcha pelas principais ruas de Mossor√≥ (RN), na tarde desta quinta-feira (24), com o objetivo de dar voz √†s v√°rias bandeiras de luta dos povos e territ√≥rios do Semi√°rido brasileiro, bem como denunciar as amea√ßas da perda de direitos. O ato p√ļblico √© parte da programa√ß√£o do IX EnconASA que re√ļne agricultoras/es, t√©cnicos/as e representantes de movimentos dos estados do nordeste e do norte e Vale do Jequitinhonha de Minas Gerais.

Al√©m dos/as participantes do evento, o ato p√ļblico congregou grupos culturais, a exemplo do Grupo de Mulheres Quilombolas de Jatob√°. Neste contexto, a agricultora familiar da Bahia, Beronice Ferreira da Silva, destaca que h√° muitos direitos que devem ser assegurados para o povo do campo. "A gente est√° aqui para reafirmar os direitos que a gente conquistou at√© agora para que a gente n√£o perca estes direitos. E tamb√©m ir atr√°s do que a gente ainda n√£o conquistou que √© a titula√ß√£o de nossas √°reas coletivas, a regulariza√ß√£o de todos os territ√≥rios. Essa √© uma luta grande que a gente n√£o conseguiu avan√ßar. Ver todos os estados do nordeste presente d√° mais coragem. A gente, apesar de tudo, est√° unido."

As palavras de ordem, poesias, bandeiras e depoimentos deram o tom do ato. Mulheres, jovens, ind√≠genas, quilombolas deixaram claro em suas falas que n√£o v√£o admitir nenhum retrocesso nas pol√≠ticas p√ļblicas e nos direitos b√°sicos conquistados √† custa de muito suor e sangue. "A nossa alternativa √© nenhum direito a menos, a nossa alternativa √© um Ssemi√°rido pintado de verde, a nossa alternativa √© um Semi√°rido cheio de mulheres aut√īnomas", disse a feminista e membro do Centro Feminista 08 de Mar√ßo (CF8), Concei√ß√£o Dantas, em um discurso emocionado.

Já a integrante do Movimento Ibiapabano de Mulheres do estado do Ceará, Liliane de Carvalho, salienta o quanto as mulheres exercem um papel fundamental na sociedade e o quanto é urgente valorizá-las. "Nós mulheres é que sustentamos o mundo com o nosso trabalho, que é extremamente valoroso porque ele dá conta do cuidado com as pessoas, com o ambiente; mas que ainda é um trabalho invisibilizado, injustiçado e nós estamos aqui para dizer que se o nosso trabalho sustenta o mundo, nós queremos ser tratadas com igualdade, queremos ser tratadas com respeito, queremos estar participando ativamente de todos os espaços de poder e de decisão para dizer em que mundo nós queremos viver", disse.

A juventude tamb√©m deu seu recado e mostrou a insatisfa√ß√£o com a iminente aprova√ß√£o da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que prev√™ o congelamento de investimentos em √°reas como sa√ļde, educa√ß√£o e previd√™ncia para os pr√≥ximos 20 anos.

¬†"A gente est√° procurando manter a juventude no campo porque com o passar dos anos os jovens est√£o saindo de l√° por falta de estudos, falta de servi√ßo. Ent√£o a gente est√° lutando pela bandeira da sucess√£o rural e contra esta PEC 55 que vem acabar com a gente. Estamos nos reunindo para n√£o deixar o governo tirar nossos direitos √† sa√ļde, educa√ß√£o. Al√©m de forma√ß√£o pol√≠tica e sindical para que o jovem saiba buscar e entenda seus direitos", afirmou o l√≠der jovem, Lucas Martins, que mora na comunidade de Santo Andr√© na cidade mineira de Francisco S√°.

Ao final, a coordenadora da ASA pelo estado da Para√≠ba, Gl√≥ria Ara√ļjo, "a nossa energia vem de um povo resistente que transforma desafios em vida. As ruas eram ocupadas pelo saque, fome, mis√©ria. Depois que esse povo apresentou ao governo e √† sociedade as pol√≠ticas de conviv√™ncia com o Semi√°rido, n√£o podemos viver temerosos porque o Brasil vive a beira de um abismo. Vamos enfrentar a luta pela √°gua, sementes, alimenta√ß√£o saud√°vel. Chegamos a um milh√£o de cisternas. Precisamos dizer isso na cidade. Temos que dizer que a ASA est√° tamb√©m na luta pela produ√ß√£o de alimentos saud√°veis pro campo e cidade. Hoje, nosso esp√≠rito de luta foi fortalecido", salientou. O ato foi finalizado com m√ļsica e uma homenagem ao saudoso Jean Carlos, ex-coordenador do Programa Um Milh√£o de Cisternas (P1MC).

FONTE: Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA)