Mulher é a verdadeira protagonista do campo e da produção de alimentos

No campo, elas representam 43% da força de trabalho agrícola e um quarto da população mundial no meio rural. Apesar dos avanços, ainda há grandes desafios e alguns deles são a valorização e o reconhecimento da mulher tanto no campo do trabalho como nos espaços de construção política.

Dia 15 outubro, foi a data criada pelas Na√ß√Ķes Unidas em reconhecimento √† import√Ęncia delas para a agricultura, Dia Internacional da Mulher Rural.

Quando olhamos para os problemas sociais, a mulher, segundo ONU são afetadas de forma desproporcional pela pobreza e insegurança alimentar. E basta um recorte, relacionado aos direitos, que percebemos que muitas ganham menos do que os homens que também trabalham no campo.

A Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas para a Alimenta√ß√£o e a Agricultura (FAO), aponta que se as mulheres agricultoras tivessem o mesmo tipo de acesso que os homens, a produ√ß√£o nos pa√≠ses em desenvolvimento aumentaria 4%. ¬†Ainda, seria poss√≠vel reduzir em 17% o n√ļmero de desnutridos, o que representa aproximadamente 150 milh√Ķes de pessoas.

A luta pelos direitos das mulheres, principalmente do campo, ainda √© longa. Para a Contraf Brasil, essa pauta √© permanente. Justamente, por ser por meio da constru√ß√£o de um sindicalismo com a participa√ß√£o efetiva da mulher que se dar√° a garantia nas rela√ß√Ķes de g√™nero, na igualdade de oportunidades e direitos. Al√©m do combate a viol√™ncia e o machismo na sociedade.

Na data de hoje, vale lembrar, que foi por meio das organiza√ß√Ķes sociais e diversos movimentos que as mulheres conquistaram o direito a previd√™ncia social, ao atendimento na sa√ļde com programas espec√≠ficos, o direito ao cr√©dito com o PRONAF Mulher, o direito √† titulariza√ß√£o da terra conquistado na Constitui√ß√£o, a assist√™ncia t√©cnica nas pol√≠ticas agr√≠colas e at√© mesmo o voto.

A Contraf Brasil acredita no protagonismo da mulher, no conjunto dos movimentos sindicais assumindo esta bandeira, para existir, efetivamente, uma nova sociedade mais igualit√°ria, mais democr√°tica, solid√°ria e melhores rela√ß√Ķes entre homens e mulheres.

Fonte: CONTRAF-Brasil