FETRAF-RN entrega pauta de reivindica√ß√Ķes ao Governador

Mais de dois mil agricultores de todo o Rio Grande do Norte sa√≠ram em caminhada na manh√£ desta quarta-feira (11) da Central de Abastecimento da Agricultura Familiar at√© o Centro Administrativo, onde foram recebidos pelo governador Robinson Faria. Em seguida, os agricultores seguiram a caminhada com destino ao centro da cidade para realizar um protesto em frente a ag√™ncia da Caixa Econ√īmica Federal (CEF), como forma de pressionar o banco no processo de celeridade em rela√ß√£o ao Minha Casa Minha Vida Rural. A manifesta√ß√£o de hoje marcou o in√≠cio da 11¬™ Jornada Estadual de Luta da Agricultura Familiar do Rio Grande do Norte, organizada pela Federa√ß√£o dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf-RN), que tem como coordenador-geral o potengiense Jo√£o Cabral.

O coordenador estadual da Federa√ß√£o dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf-RN), Jo√£o Cabral, explicou que a mobiliza√ß√£o de hoje faz parte da jornada de luta da agricultura familiar que acontece todos os anos. "Hoje come√ßamos a nossa caminhada e o processo de negocia√ß√£o com o Governo do Estado e com a Caixa Econ√īmica Federal", explica.

Entre as pautas de reivindica√ß√Ķes da categoria, est√°, primeiramente, o funcionamento da Central de Abastecimento da Agricultura Familiar, que foi inaugurada h√° cinco anos, mas nunca funcionou para que os agricultores pudessem comercializar os seus produtos.

"Queremos o funcionamento da Central de Comercializa√ß√£o para que os agricultores possam reagir diante desse momento de escassez. Essa Central foi inaugurada, sem conclus√£o. L√° dentro, s√≥ tem o pr√©dio, faltam as c√Ęmeras frias, dentre outras. Foi uma Central que foi criada para melhorar a vida do agricultor, mas n√£o saiu do papel. Precisamos dela funcionando para que possamos escoar a produ√ß√£o dos agricultores", afirma Jo√£o Cabral.

Al√©m disso, o movimento pede que o Governo do Estado viabilize assist√™ncia t√©cnica para os mais de 500 projetos agroecol√≥gicos que existem atualmente no Rio Grande do Norte. "Queremos tamb√©m a recupera√ß√£o e instala√ß√£o imediata de 550 po√ßos tubulares j√° perfurados, al√©m disso, temos 300 po√ßos para ser perfurados em 57 munic√≠pios", pontua Jo√£o Cabral. A Federa√ß√£o tamb√©m cobra a constru√ß√£o de novos a√ßudes e barreiros de pequeno e m√©dio porte, al√©m da limpeza e reforma dos j√° existentes, em parcerias com as Prefeituras. "Queremos que o Governo viabilize e disponibilize recursos para que possamos construir duas mil tecnologias de capta√ß√£o de √°gua, como cisterna cal√ßad√£o e barragem subterr√Ęnea".

"A nossa pauta tem uma s√©rie de pontos, mas a quest√£o h√≠drica √© a mais s√©ria, √© a principal, pois hoje estamos com uma redu√ß√£o de aproximadamente 60% no rebanho bovino em fun√ß√£o da seca dos √ļltimos quatro anos. A nossa grande batalha √© que tenhamos um grupo de trabalho oficial, envolvendo as secretarias da √°rea mais as institui√ß√Ķes do Estado que discutam permanente a quest√£o do semi√°rido, tentando integrar as v√°rias pol√≠ticas p√ļblicas para a agricultura familiar", destaca Jo√£o Cabral, coordenador da Fetraf-RN.

Jo√£o Cabral disse que os agricultores est√£o preocupados com o risco de o inverno deste ano ser irregular, assim como vem acontecendo nos √ļltimos anos. "Isso pode dificultar ainda mais a nossa conviv√™ncia com o semi√°rido, pois j√° estamos com escassez de √°gua para animais, consumo humano e produ√ß√£o. N√£o podemos apenas esperar pelo √Ęmbito nacional, precisamos avan√ßar essa discuss√£o a n√≠vel estadual tamb√©m", considera o coordenador da Fetraf-RN.

Em rela√ß√£o ao protesto em frente a Caixa Econ√īmica Federal, Jo√£o Cabral afirma que h√° mais de tr√™s mil agricultores com projetos do Minha Casa Minha Vida Rural parados. "Queremos cobrar agilidade, celeridade, na an√°lise dos projetos para que possamos pleitear os recursos com o Governo Federal", explica Jo√£o Cabral.