Contraf Brasil vai parar no dia 18 na Greve Geral, mas n√£o realizar√° atos com aglomera√ß√Ķes

Considerando as orienta√ß√Ķes da Executiva Nacional da CUT sobre a Greve do Dia 18 de mar√ßo, a Contraf Brasil, representando os trabalhadores e trabalhadoras da Agricultura Familiar, n√£o realizar√° manifesta√ß√Ķes com aglomera√ß√Ķes de pessoas nas ruas, por√©m ficar√° de portas fechadas no dia 18 de mar√ßo, aderindo a Greve Geral em protesto ao governo Bolsonaro e orienta a todos os seus sindicatos a aderir √† Greve Geral cruzando os bra√ßos e parar o Brasil por 24h.

Confira a íntegra do comunicado da Central Única dos Trabalhadores:

Às Entidades filiadas,

Assunto:¬†Orienta√ß√Ķes da CUT quanto √†s Mobiliza√ß√Ķes do dia 18 de mar√ßo e avan√ßo do Coronav√≠rus no Brasil

Companheiros e companheiras,

A Executiva Nacional da CUT v√™ com extrema preocupa√ß√£o o avan√ßo da pandemia provocada pelo novo coronav√≠rus (COVID-19) cujas consequ√™ncias n√£o podem ser subestimadas. Observamos com aten√ß√£o permanente a evolu√ß√£o do n√ļmero de casos no Brasil e seus reflexos sobre a sa√ļde e as condi√ß√Ķes de vida da classe trabalhadora e, portanto, adotamos as seguintes orienta√ß√Ķes para as nossas entidades filiadas:¬†

  1. Quanto ao Dia Nacional de Lutas, Protestos e Paralisa√ß√Ķes, em Defesa dos Servi√ßos P√ļblicos, Empregos, Direitos e Democracia convocado para a pr√≥xima quarta-feira, 18 de mar√ßo:

a)¬†Manuten√ß√£o das greves e paralisa√ß√Ķes programadas para o dia 18 de mar√ßo. A greve n√£o contribui com a propaga√ß√£o do v√≠rus e √© uma forma importante de alertar a sociedade e os governantes para os ataques do governo que enfraquecem as pol√≠ticas p√ļblicas. Por isso lutamos pela aprova√ß√£o do novo FUNDEB, com a garantia de recursos para a educa√ß√£o e por uma valoriza√ß√£o efetiva dos servi√ßos p√ļblicos, fundamentais na vida do povo e para o enfrentamento de situa√ß√Ķes de emerg√™ncia como a que hoje se coloca ao pa√≠s.

b)¬†N√£o realizar atos p√ļblicos com aglomera√ß√£o de pessoas,¬†principalmente aonde eles forem desaconselhados pelas autoridades sanit√°rias mobilizando-se nas redes sociais para denunciar os ataques do governo √† educa√ß√£o, aos servi√ßos p√ļblicos, √†s estatais e exigir uma rea√ß√£o en√©rgica do Parlamento e do Executivo, nas tr√™s esferas, em defesa da sa√ļde da popula√ß√£o e da economia nacional.¬†

  1. Quanto √† prote√ß√£o √† sa√ļde da classe trabalhadora:

a)¬†Exigir do governo e do Parlamento, nas tr√™s esferas, a ado√ß√£o de planos eficazes de refor√ßo ao SUS com a reposi√ß√£o dos recursos que vem sendo sistematicamente cortados da sa√ļde e a suspens√£o imediata da Emenda Constitucional 95, que congelou o or√ßamento da Uni√£o.

b)¬†Cobrar e propor √†s empresas, entidades patronais e institui√ß√Ķes p√ļblicas a constitui√ß√£o de comit√™s bipartites de crise para o acompanhamento, transpar√™ncia e promo√ß√£o de iniciativas visando reduzir a propaga√ß√£o da doen√ßa nos locais de trabalho tais como: (I) oferta de produtos de higiene e prote√ß√£o individual; (II) conduta com rela√ß√£o aos trabalhadores/as mais vulner√°veis √† doen√ßa (idosos, diab√©ticos, card√≠acos, etc.); (III) planos de conting√™ncia em locais de trabalho que venham a ser diretamente afetados por casos da doen√ßa; (IV) garantia de direitos e remunera√ß√£o dos trabalhadores/as eventualmente afastados do local de trabalho por suspeita ou confirma√ß√£o de contamina√ß√£o pelo v√≠rus.

c)¬†Propor √†s empresas a vacina√ß√£o de trabalhadores/as contra a gripe, de maneira antecipada, da maneira como vem sendo planejada a antecipa√ß√£o da campanha nacional de vacina√ß√£o do SUS. Essa iniciativa √© auxiliar na redu√ß√£o das possibilidades de confus√£o no diagn√≥stico do v√≠rus e serve tamb√©m a redu√ß√£o da demanda ao servi√ßo p√ļblico de sa√ļde por outros v√≠rus, como o da gripe.

A dissemina√ß√£o do v√≠rus no pa√≠s, al√©m da quest√£o da sa√ļde da popula√ß√£o, traz consigo mais um forte ataque √† economia nacional, j√° prejudicada pela pol√≠tica econ√īmica contr√°ria aos interesses do Brasil, chefiada por Bolsonaro e Paulo Guedes, que nos legou um crescimento de m√≠sero 1,1% em 2019.

Por isso a CUT, junto com as demais centrais sindicais e movimentos sociais, deve propor ao governo e ao Parlamento um conjunto de a√ß√Ķes em defesa dos trabalhadores e da economia nos seguintes eixos:¬†

a) manutenção e estabilidade nos empregos e na renda aos trabalhadores/as, inclusive informais e por plataforma;

b) amplia√ß√£o do acesso ao cr√©dito p√ļblico para garantir a liquidez necess√°ria para as empresas, em particular as de pequeno e m√©dio porte, honrarem seus compromissos - inclusive sal√°rios, na contram√£o do campanha governamental de desvaloriza√ß√£o dos bancos p√ļblicos;¬†

c)garantia de acesso a benef√≠cios assistenciais e da Previd√™ncia Social, como os do INSS e o Bolsa Fam√≠lia os quais v√™m sendo represados pela pol√≠tica econ√īmica e pela incapacidade administrativa do governo;

d) apoio e est√≠mulo √† atividade econ√īmica, a gera√ß√£o de empregos e de renda para os trabalhadores.¬†

√Č preciso ainda exigir do Congresso a suspens√£o imediata da an√°lise dos projetos prejudiciais aos trabalhadores como a Medida Provis√≥ria 905 (Carteira Verde Amarela) e as PECs do Plano Mais Brasil, tanto pelo seu m√©rito restritivo em rela√ß√£o √† capacidade de a√ß√£o do Estado num momento de emerg√™ncia de sa√ļde p√ļblica, quanto pela limita√ß√£o do debate p√ļblico dada pelas restri√ß√Ķes √† circula√ß√£o de pessoas no Parlamento. O momento √© de dedica√ß√£o √† an√°lise de medidas que reforcem o SUS e que v√£o ao encontro dos eixos que propomos em defesa dos trabalhadores/as e da economia.

Sauda√ß√Ķes CUTistas,

Sergio Nobre - Presidente

Carmen Foro - Secret√°ria Geral


Fonte: CONTRAF-Brasil