Centro de nossas a√ß√Ķes no momento √© a derrota do bolsonarismo, diz resolu√ß√£o da CUT

A dire√ß√£o executiva nacional da CUT divulgou, nesta segunda-feira (10), uma resolu√ß√£o sobre decis√Ķes tomadas em reuni√£o realiza√ß√£o no dia 4, onde orienta as entidades filiadas a se organizarem e ocuparem as ruas para debater as propostas dos candidatos √† presid√™ncia da Rep√ļblica, combatendo fakes news e deixando claro que o que est√° em jogo √© o futuro que queremos para o Brasil.

"O centro de nossas a√ß√Ķes e de nossa estrat√©gia nesse momento deve ser a derrota do bolsonarismo e seus aliados da direita", diz parte do texto, que ressalta a necessidade de defender o programa e a estrat√©gia apresentada pelo ex-presidente Lula, "capaz de reunificar e reconstruir o pa√≠s, defender a democracia e ao mesmo tempo colocar os trabalhadores e trabalhadoras no centro das prioridades por meio da recupera√ß√£o dos direitos, das pol√≠ticas de desenvolvimento econ√īmico sustent√°vel, com distribui√ß√£o de renda, inclus√£o e justi√ßa social".

"√Č preciso acirrar a disputa pol√≠tica e ideol√≥gica contra as ¬īnarrativas¬ī mentirosas dos neofascistas. N√£o se trata apenas da maior batalha de nossas vidas. Trata-se de uma batalha por nossas vidas e pelo futuro do povo brasileiro!"

Confira a íntegra da Resolução da CUT

Resolução da Executiva Nacional da CUT

Reunida no dia 4 de outubro de 2022, a Executiva Nacional da CUT, ampliada com representação das Estaduais e Ramos, analisou o momento atual e aprovou o seguinte posicionamento e encaminhamentos:

Novamente, a Dire√ß√£o Executiva Nacional da CUT reafirmou a avalia√ß√£o e a resolu√ß√£o pol√≠tica da reuni√£o realizada no dia 24/02/2022, de que o centro de nossas a√ß√Ķes e de nossa estrat√©gia nesse momento deve ser a derrota do bolsonarismo e seus aliados da direita.

Ao longo dos √ļltimos 4 anos, a CUT sempre afirmou que Lula representa um programa e uma estrat√©gia que tem a capacidade de reunificar e reconstruir o pa√≠s, defender a democracia e ao mesmo tempo colocar os trabalhadores e trabalhadoras no centro das prioridades por meio da recupera√ß√£o dos direitos, das pol√≠ticas de desenvolvimento econ√īmico sustent√°vel, com distribui√ß√£o de renda, inclus√£o e justi√ßa social.

Muito fizemos nesse per√≠odo, buscando demonstrar para nossa base como esse governo dilapidou o patrim√īnio p√ļblico com as privatiza√ß√Ķes, como piorou a vida da classe trabalhadora com a retirada de direitos e como destruiu a soberania e a democracia em nosso pa√≠s.

Esse esforço culminou com boa parte da classe trabalhadora ampliando a compreensão do seu lugar e papel, elevando a consciência de classe, porém, uma parte significativa ainda acredita nas fake news e nas campanhas difamatórias empreendidas contra os partidos, movimento sindical e sociais e militantes da esquerda.

O processo eleitoral constatou que o pa√≠s ainda √© muito conservador e que a extrema direita se enraizou em todas as camadas sociais. √Č preciso acirrar a disputa pol√≠tica e ideol√≥gica contra as "narrativas" mentirosas dos neofascistas. N√£o podemos, em qualquer hip√≥tese, sequer pensar em uma vit√≥ria da extrema direita, pois os impactos sobre o mundo, sobre a Am√©rica Latina e sobre a vida da classe trabalhadora brasileira e do conjunto da sociedade pelas pr√≥ximas d√©cadas seriam extremamente desastrosos.

N√£o se trata apenas da maior batalha de nossas vidas. Trata-se de uma batalha por nossas vidas e pelo futuro do povo brasileiro!

√Č por isso que a CUT se posiciona nesse momento de segundo turno das elei√ß√Ķes, reafirmando suas posi√ß√Ķes anteriores de concentrar todas as energias no objetivo principal que √©¬†derrotar a extrema direita¬†e fazer os trabalhadores e as trabalhadoras entenderem quais projetos de pa√≠s interessam √† classe trabalhadora e eleger √†queles que hoje representam esses projetos.

Nesse sentido, a CUT orienta suas entidades de base a atuar firmemente nas ruas e nas redes para desmascarar as fal√°cias e mentiras da extrema direita, discutir as propostas de cada candidato e priorizar as a√ß√Ķes de di√°logo para disputar a consci√™ncia e o cora√ß√£o da classe trabalhadora, apresentando as propostas para que possamos melhorar de vida. Os pr√≥ximos dias exigir√£o do movimento sindical organizado uma dedica√ß√£o e um n√≠vel de mobiliza√ß√£o e solidariedade √≠mpar.

√Č preciso construir em cada regi√£o, em cada Estado, em cada territ√≥rio, um conjunto de a√ß√Ķes, articuladas com os demais movimentos e sindicatos, que se traduzam na mais empolgante jornada de nossas vidas. O di√°logo e o trabalho de base sistem√°tico e cotidiano far√° a diferen√ßa para levar informa√ß√Ķes que possibilitem a quem ainda n√£o se decidiu ou n√£o votou a se somarem nessa caminhada e contribu√≠rem para a vit√≥ria das propostas que est√£o ao lado do povo e da classe trabalhadora brasileira.

Para isso, é fundamental: 

1.¬†¬† Realizar plen√°rias ampliadas para construir a√ß√Ķes comuns de mobiliza√ß√£o e discuss√£o;¬†

2.¬†¬† Integrar os comit√™s estaduais para organizar conjuntamente as a√ß√Ķes;¬†

3.¬†¬† Organizar o maior n√ļmero poss√≠vel de atividades com visibilidade;¬†

4.   Intensificar a atuação nas redes sociais;

5.¬†¬† Organizar caravanas utilizando a Plataforma da CUT e a das Centrais cujos conte√ļdos fornecem elementos importantes para dirimir d√ļvidas e questionamentos e apresentar as propostas que queremos ver implementadas.¬†

S√£o Paulo, 4 de outubro de 2022.

Direção Executiva Nacional da CUT


Fonte: CUT