Contraf Brasil e ministra da Agricultura discutem políticas de desenvolvimento rural

Lideran√ßas da coordena√ß√£o da Confedera√ß√£o Nacional dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Contraf Brasil) reuniram-se nesta quarta-feira, 30.01, com a ministra da Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento (MAPA), Tereza Cristina, para dialogar sobre a continuidade das pol√≠ticas p√ļblicas de desenvolvimento rural.

Na oportunidade, a Contraf Brasil entregou a pauta de reivindica√ß√Ķes, pontuando quais as pol√≠ticas p√ļblicas mais emergentes para a categoria destacando o impacto e a import√Ęncia das a√ß√Ķes para o fortalecimento da Agricultura Familiar no pa√≠s.

O cr√©dito fundi√°rio, reforma agr√°ria, regulariza√ß√£o fundi√°ria, produ√ß√£o, comercializa√ß√£o, compras institucionais, agroind√ļstrias, assist√™ncia t√©cnica e extens√£o rural, habita√ß√£o, foram algumas das indica√ß√Ķes apresentadas pelos trabalhadores.

"Nosso objetivo √© dialogar para que exista de fato a funcionalidade, efetiva, das pol√≠ticas p√ļblicas para o campo. O nosso compromisso √© com o avan√ßo da Agricultura Familiar e para isso a negocia√ß√£o com o Governo √© necess√°ria. As organiza√ß√Ķes t√™m um papel fundamental para que a pol√≠tica p√ļblica chegue de fato na ¬īponta¬ī e o agricultor e agricultora tenham acesso aos programas. Ningu√©m tem tanta capilaridade para viabilizar este processo como as organiza√ß√Ķes sindicais, temos essa singularidade", explica Marcos Rochinski, coordenador geral da Contraf Brasil.

Ao encontro dessa avalia√ß√£o, a ministra Tereza Cristina destacou que a constru√ß√£o dessa gest√£o ser√° no sentido de que o recurso chegue ao m√°ximo poss√≠vel nos agricultores. "Vamos nos concentrar no que √© o mais importante para a maioria e que atenda o maior n√ļmero de fam√≠lias. N√£o h√° como chegar no ideal, no entanto vamos trabalhar projetos estruturados e dar n√£o apenas o cr√©dito, mas fazer a assist√™ncia t√©cnica e outras a√ß√Ķes que se traduzam em produ√ß√£o", pontuou.

A reunião foi acompanhada também pelo secretário de Agricultura Familiar do Mapa, Fernando Schwanke. "Hoje existem 12 mil famílias na fila para o crédito fundiário. Isso é um problema e demostra que devemos mudar o formato da execução da política. Vamos operar no formato democrático e com a qualidade de acesso", falou o secretário.

As lideranças da Contraf Brasil ainda mencionaram sobre as áreas de assentamento que já possuem decreto, porém devido a burocratização no Incra, correm o risco de despejo, e sobre a compra de terras da União para famílias acampadas no que se refere a reforma agrária.

"Nós apresentamos nossas demandas e o trabalho que realizamos, justamente, para que a ministra tenha conhecimento de quem representamos e somos, e assim, abrir esse diálogo. Hoje todas as políticas que atendem a agricultura familiar passam pelo Ministério da Agricultura, órgão de grande representação à nível internacional e que acreditamos que, por meio do diálogo, dará continuidade no processo de desenvolvimento rural somando com agricultura familiar", espera Paulo Cesar Farias, o PC, coordenador da FETRAF de Mato Grosso do Sul.

Fonte: CONTRAF-Brasil